Hospital São Vicente reforça importância do ato de solidariedade mesmo durante a pandemia

Com o objetivo de reconhecer o ato solidário dos doadores que realizam a atividade regularmente para abastecer o banco de sangue de hospitais públicos e privados, no dia 25 de novembro é celebrado o Dia Nacional do Doador de Sangue. A prática apresentou uma diminuição considerável devido à quarentena gerada pela pandemia do novo coronavírus. Só no município de Jundiaí, onde as doações de sangue são realizadas por meio da Associação Beneficente de Coleta de Sangue (COLSAN), a queda foi de aproximadamente 30%.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), as doações são seguras, dado o distanciamento social e o respeito às medidas de higiene. “Nós seguimos todas as orientações e ações necessárias para manter a segurança dos doadores. As doações podem ser agendadas por meio do aplicativo “Colsan – Doe Sangue, Doe Vida”, disponível nas lojas de aplicativos online. Já no ambiente físico, sinalizamos o distanciamento e reforçamos as práticas de higienização, com frascos de álcool gel em vários locais”, tranquiliza o médico hematologista do Hospital São Vicente e gerente médico da Colsan de Jundiaí, Dr. João Augusto Fernandes Gonçalves.

O Hospital São Vicente usa em média 1.200 bolsas de sangue ao mês, sendo que em torno de 600 bolsas são concentradas de hemácias. Já os outros são componentes do sangue, como o plasma fresco congelado e o concentrado de plaquetas. “A Colsan tem parcerias com várias empresas, fazendo com que o laboratório possua doadores freqüentes, além de doadores voluntários. Em algumas situações existe a necessidade de convocar doadores junto aos familiares e amigos. Chamamos esse procedimento de doação de reposição”, explica Dr. João.

O hematologista aproveita para parabenizar a ação de amor ao próximo. “A doação de sangue é um ato de muita importância, é uma ação de cidadania e de solidariedade, no qual as pessoas saudáveis de 16 até os 70 anos doam sangue voluntariamente para abastecer os hospitais. Esse sangue é utilizado em grandes cirurgias, em traumas, em pacientes com tratamento quimioterápico entre outros procedimentos. É uma homenagem justa para todos esses heróis”, agradece o médico.

Seja um doador!

Dr. João estimula novos doadores e garante segurança do procedimento

O processo de doação é seguro e possui algumas características. Primeiro é realizada a identificação do doador de sangue, onde ele apresenta documentação com foto, seguido da triagem clínica hematológica para certificar-se de que o doador não possui anemia. Além da pressão, é verificada a freqüência cardíaca, a temperatura e por fim, é realizada uma entrevista clínica, onde perguntas são feitas para saber se a pessoa possui algum comportamento de risco ou comorbidades que a impeçam de doar sangue. Para iniciar o procedimento o doador também precisa estar alimentado. 

Dos 16 aos 18 anos o interessado precisa comparecer com os pais ou responsável para assinar os documentos necessários. Em situações de risco acrescido a doação não será autorizada. A doação de sangue é um procedimento seguro e saudável, não causa nenhum risco.

Os interessados devem procurar a Colsan, localizada na Rua 15 de Novembro, Nº 1498. O telefone para contato é 4521-4025.

Posts Relacionados